15 de fev de 2007

Afinal de contas o que é realmente seguro??

Gente, uma amiga minha me deixou esse comentário que me abalou demais!!

Aline disse...

“ai amiga... as coisas aqui estão tensas mesmo. há uma inversão de valores e do que é seguro e certo... enche o saco e a vontade de ir morar no mato aumenta. já não usamos o cinto no Tutu quando vamos por perto, o que é mais seguro?”

Me lembrei de uma reportagem de um acidente de um automóvel em minas gerais, onde um bebe sobreviveu porque estava usando a cadeirinha de segurança. Com isso motivou a todos a usarem as cadeirinhas. Só que me lembro também, num dos estresses que eu tive com o Eduardo numa suspeita de sermos assaltados, da minha aflição momentânea de retirar a Giulia da cadeirinha, onde a trava era chata para destravar... Enfim... Veja a que ponto chegamos!! Olha o nosso semblante!! O desespero está tomando conta da nossa vida!! Como viver numa cidade onde qualquer buzina ou freada mais brusca nos deixam amedrontados??

Amigos, o carnaval está ai... E tudo mais uma vez vai virar “samba”??

O caso do João Helio Fernandes, não pode ser mais um. Só mudar as leis, vai adiantar?? Vai realmente resolver os problemas da cidade?? Quem realmente quer mudar essa situação?? Pois a gente sabe que “eles” sabem direitinho quais as medidas que devem ser tomadas!! Agora eu pergunto?? Porque ainda não tomaram as devidas providencias??

Como eu disse numa “postagem” anterior...

Quero voltar... Mas quero sentir o cheiro da liberdade... De ir, vir e curtir as ruas do meu Rio... De sentir o cheiro da brisa do mar... Sentir o vento da segurança de viver!!”

Será que eu serei mais uma expatriada a não querer voltar a viver no Brasil??

...

Leitura relacionada >>>

Que País é este? - at Lino Resende

Cena do filme "Cidade de Deus" conta... - at Laura

5 comentários:

Anônimo disse...

É Poliane... é complicado isso. Ainda não temos filhos mas pensei o mesmo quando tudo isso aconteceu...se não está de cinto, pode se machucar num acidente, pode ser fatal ou ainda levar multa caso um policial pare. Se está de cinto, fazendo tudo certinho, pode acontecer essa coisa horrorosa... É o velho ditado, "se correr o bicho pega, se ficar o bicho come..." o RJ está uma selva mesmo...Imagina a dor dessa mãe, além da perda brutal do filho ainda criança, conviver com a imagem que não se apagará nunca da sua memória, ela toda trêmula, nervosa, tentando tirar o cinto do menino sem conseguir e depois acontecer tudo... Pensei ainda em amigas nossas que têm dois filhos pequenos e andam sozinhas de carro com eles numa hora dessa... nessa correria toda, nesse nervoso todo, ter duas crianças para tirar das cadeirinhas, destravar dois cintos e pegar os dois no colo...nossa, fico nervosa só de imaginar....
Onde vamos parar? O que ainda falta acontecer... CHEGA, ninguém aguenta mais... o medo é grande... se pensamos com o coração queremos voltar a morar no nosso RJ, no nosso país, perto da família, dos amigos tão queridos, das coisas que gostamos e sabemos lidar , mas pela razão, vamos ficando, onde estamos ao menos é seguro e isso hoje em dia vale muito! Ficamos longe, cheios de saudade, mas saímos nas ruas e ficamos dentro de casa em paz, tranquilos, coisa que em nosso país está tão difícil.... parece mesmo o que o Alexandre Garcia falou ontem na TV, parece filme de ficção onde os bandidos vão tomando conta da cidade e sorte de consegue fugir...infelizmente :( Sarah

Anônimo disse...

É prima o medo aumenta e realmente não sabemos o que fazer.

Eu continuo a favor do cinto, mais agora tento que sempre tenha uma pessoa ao lado de minha pequena. Já passei por este problema de ficar sem carro e o tudo mais que estava dentro.

Vontade de sair do meu Rio amado é muito grande, mas também é muito dificil abandonar tudo.... vc sabe.

Bjs em todos....

laura disse...

Poliane, vc está na India ainda? ai tem um índice baixíssimo d eviolência, procure estudar sobre isto, nos fale mais sobre isto aqui.
É um povo pacífico.
Eu tenho freqüentado reuniões budistas e fico mto bem, gosto da filosofia, ando mto tranqüila, apesar de muitos problemas objetivos e uns tantos afetivos:)
Seja sempre bem vinda no eu espaço. obrigada pelo link, é bom saber que gostou e até indica:)
Um bj Laura

Paulo Villela disse...

Poliane,

Na sociedade brasileira atual, os valores estão se invertendo, outros esquecidos e muitos ignorados.
É claro q não se pode generalizar, mas o q vemos em vários degraus da sociedade, é a ignorância, quanto às leis e à ordem.
As causas são as mais variadas, desde o mau exemplo dos políticos até a falta de caráter, como os assassinos do João H. Fernandes.
Não perdi a esperança em relação ao Brasil, mas entendo q para mudar este quadro, é preciso q haja uma mudança de mentalidade em toda a nação.
Para lutar e exigir por nossos direitos e uma vida mais digna.

Tb gostei do seu espaço, e já vou acrescentar o rumorejo ao meu Bloglines.

um ab e tudo de bom

Jens disse...

Salve Poliane:
O negócio por aqui tá complicado. Como você muito bem observou: todos, inclusive "eles", sabemos o que deve ser feito. Há 30 anos no mínimo ouço que o Brasil deve investir maciçamente na educação, para deixar de ser eternamente o país de futuro promissor e tornar-se uma nação decente no presente. Se algo houvesse sido feito desde então, certamnente estaríam os hoje em uma situação bem melhor.Vi na TV que nos EUA, desde os anos 90, aumentaram a repressão contra os menores criminosos, ao mesmo tempo em que ampliaram os projetos educacionais para evitar que os menores trilhassem a senda do crime. A repressão aliada a proteção através da educação deu certo. Diminuíram os crimes e os menores infratores. Aqui a elite burra quer apenas repressão, sem investir na educação, que dá muito trabalho, leva tempo e não rende votos na próxima eleição. Uma bosta.
Buenas, mas é carnaval. Até quarta-feira vamos dar um tempo nas amargas. Obrigado pela visita lá na Trincheira. A saga momesca continua.
Prazer em te conhecer. Um abraço.