9 de set de 2007

Pílula do dia seguinte na Índia.

Agora na Índia não precisa mais de prescrição médica para comprar a famosa pílula do dia seguinte. Só vim descobrir isso depois de ter-me deparado com uma propaganda do I-Pills, a pílula contraceptiva emergêncial, nos canais de televisão. Vocês podem ver as duas propagandas, onde eu mostro duas cenas das propagandas nas fotos acima, no próprio site da I-Pill, ou clique (aqui).

Confesso que fiquei espantada quando assisti a propaganda da pílula do dia seguinte, não sei se meu espanto se deve a minha mentalidade por pensar que o correto numa propaganda em rede de televisiva (imaginando que existe um controle do ministério da saúde por trás) é incentivar o uso de camisinha... Talvez não me espantasse se a propaganda fosse sobre o medicamento contraceptivo rotineiro indicando um acompanhamento médico e tal... , mas propagar um método emergencial? Não sei.

Bem, parece que os dados são alarmantes... Há mais de 50 milhões de concepções na Índia, sendo que 30% abortam (ler mais sobre aborto seletivo) e 75 % são concepções não planejadas. Pesquisando na internet encontrei um blog do indiano Kochi, no seu texto: I-Pill: Get Back To Life, onde ele nos fala sobre esses dados mostrando o que levou o governo a incentivar o uso do medicamento.

E me lembrei do texto maravilhoso do nosso amigo Silvano Vilela, no texto Alerta: Pílula do dia seguinte – banalização e incerteza, onde ele nos conta sobre as conseqüências de uso rotineiro da pílula aqui no Brasil e com o cuidado para a não banalização da medicação. Ele nos alerta que não podemos perder o foco da prevenção, que o mais adequado ainda é o uso de camisinha que além de evitar uma gravidez não planejada previne de doenças sexualmente transmissíveis.

Tenho visto exemplos no meu dia-a-dia de mulheres indianas que nem sequer sabem sobre o que é TPM (Tensão Pré-Mestrual), mal conhecem o mecanismo do seu corpo e mostra-nos que o sexo ainda é um tabu... E são essas mulheres que assistem a propaganda da pílula I-Pill e como sua venda agora é livre de prescrição médica não seria arriscado achar que seu uso não será banalizado? Ou até mesmo mal ministrado?

Preciso de mais opiniões... O que vocês pensam sobre isso?
Amigos expatriados de outros países, digam como funciona por ai!

---
Sobre aprender a falar demais idiomas...

Eu tenho chegado à conclusão de que precisamos sim tentar falar outras línguas, ainda mais quando percebemos o quanto amadurecemos e aprendemos com isso. A comunicação é a forma mais eficaz de aprendizagem! Com a internet e a globalização mais ainda. Um exemplo prático é de que podemos ler demais blogs de outros idiomas conhecendo diferentes pontos de vista e o cotidiano de diversas culturas. Manter a nossa língua mãe é importantíssimo e saber falar bem ela, mais ainda! Mas isso não nos impede de aprendermos outros idiomas até simultaneamente com o português (falta-nos estimulo da pratica e incentivo talvez), ainda mais o espanhol que é tão forte na América do Sul e poderíamos estar interagindo muito mais com os nossos vizinhos. Oportunidades escapam de muitos brasileiros de crescimento profissional justamente por não dominarem demais línguas.

Precisamos pensar mais sobre o assunto e sobre o futuro... O fato de eu ter saído do Brasil pode ter me alertado mais sobre essa necessidade e penso que podemos estar vivendo em um mundinho minúsculo sem perceber o tamanho do mundo enorme que nos espera!

Nenhum comentário: